sábado, 5 de março de 2016

Uma Resposta aos Críticos do Meu Peso - Por Felice Fawn

Esse post foi escrito pela Felice a multo tempo atraz
Sobre a anorexia dela



"A Response to Weight Critics" foi escrita pela Felice depois dela começar a receber muitas criticas em relação ao corpo dela e dela estar influenciando outras meninas a perder peso, esse texto é uma defesa pessoal da Felice...
Eu trouxe a tradução para vocês

(Tradução livre, texto original no final do post)

Uma Resposta aos Críticos do Meu Peso

"Esta é a primeira e a única vez que eu vou estar escrevendo um post em resposta à maneira em que certos indivíduos foram se referindo a mim recentemente sobre meu peso. Além disso, vou estar escrevendo sobre a minha experiência com anorexia, pela primeira e última vez, como eu sinto que é importante que as pessoas realmente saibam tanto sobre a minha opinião e a perspectiva pessoal, após minhas experiências e na recuperação. Eu sinto isso também que é necessário fazer uma nota que o seguinte material poderá provocar alguém que ainda lutando com um transtorno alimentar, por isso, se você sente que isso é algo que pode afetar você, eu te imploro para não ler mais.Quando eu tinha 17 anos, eu não sabia o que era uma caloria. Eu não estava ciente das implicações de dietas, carboidratos, os diferentes tipos de gorduras em alimentos, etc. Eu era completamente ignorante do que os distúrbios alimentares eram, ou o mundo em que tantas meninas viviam onde elas se preocupavam com o seu peso, dieta e exercício em uma base diária. Eu era simplesmente uma garota normal, embora tivesse excesso de peso na época, que gostava de comida e nunca sequer pensou sobre o que eu estava colocando na minha boca ou como isso afetaria meu corpo. Alegremente ignorante, gordinha e feliz. No verão de 2007 eu participei do Reading Festival com os amigos. Eu estava 167 centímetros de altura no momento, pesando cerca de 72 quilos. Foi um fim de semana incrivelmente quente, típico dos melhores climas de verões da Grã-Bretanha, e os campos estavam cheios de mulheres jovens em biquíni de rendas, tinham mulheres de todas as formas e tamanhos diferentes. Esta então foi a primeira vez que eu tinha me tornado consciente sobre o meu peso, e se eu fosse então usar um biquíni, eu me perguntei se eu ficaria inadequada no mar ao lado de corpos magros e figuras tonificadas. No final, eu decidi não fazer, me joguei em uma camisa folgada e continuei a viver meu dia, não realmente considerando as implicações desse momento elevadas na minha auto-consciência  ou o efeito que teria sobre mim no meu futuro próximo. Depois de voltar para casa, uma enxurrada de fotografias foram enviadas para o Facebook do nosso final de semana no festival, e eu estava animada para ver o que meus amigos tinham capturado a partir das nossas aventuras, que foi quando me deparei com a imagem que virou meu mundo de cabeça para baixo e completamente mudou a minha vida para o pior.Eu sentei na minha cama com meu laptop na minha frente, confrontado com a imagem que eu conseguia me ver como uma monstruosidade, eu comecei a chorar. Eu chorei até que meu rosto ficar inchado, até que eu comecei a salivar, até que eu não conseguia chorar mais, na altura em que eu precisei deitar e descansar por algumas horas, apenas depois para acordar e repetir o processo. 48 horas se passaram, e ainda assim eu continuava a chorar e falar com ninguém, ocasionalmente, olhando para o meu reflexo e amassar a carne no meu rosto e corpo com os dedos. Eu estava tormentada com o que vi e confusa por quem eu era. Eventualmente, eu mandei mensagens para todos os meus amigos no Facebook, pedindo-lhes para me desmarcar nas imagens ou removê-las completamente, e então eu fui para um esconderijo.Durante o próximo ano eu cortei o meu consumo drasticamente, às vezes indo 2-3 dias sem comida, até me sentir na capacidade para finalmente tomar o controle de algo que eu me culpava por não estar no controle de por tanto tempo. Em 2008 cheguei a um peso saudável de 54 quilos através de métodos e hábitos alimentares não saudáveis e desordenados, que eu estritamente em segredo de meus amigos, familiares e meu parceiro. Todo mundo apenas estava me dizendo o quão maravilhosa a minha figura estava, mas eu ainda me sentia inadequada e estava confusa com os elogios. 
Percebendo como isolado eu me sentia e ainda estando nos estágios iniciais de um transtorno alimentar, eu decidi começar um blog no anonimato como um lugar para desabafar sobre meus sentimentos, escrever sobre minhas experiências e buscar algum tipo de auto-validação. Eu ia escrever sobre os meus objetivos futuros, quanto peso eu queria perder e como eu estava chateada pois eu não era suficientemente magra. Ganhei um pequeno grupo de meninas que lutavam com problemas semelhantes, e eu conectada com elas. Ler seus diários e experiências me faziam sentir menos sozinha, e às vezes, como se elas estivessem bem e 'normais' ao estarem fazendo o que eu fazia comigo mesma. Gostaria de vê-las postando imagens de si mesmas para que possamos olhar para trás e ver os seus progressos, por isso, eventualmente, eu decidi também manter um diário com imagens, e eu, ocasionalmente, fiz upload de fotos do meu corpo anonimamente onde eu iria criticar a mim mesma e analisar o que eu não  gosto sobre minha figura. Passei tanto tempo escondendo o meu corpo em roupas folgadas e o afastando do "mundo real", e então eu seria capaz de me revelar desta forma anonimamente, eu me senti confortável.No início de 2009 eu descobri que eu tinha crescido e agora eu estava com 170 centímetros, e meu peso caiu para 48 kilos e eu iria passar por períodos de 4-5 dias sem comer em uma base regular. Eu iria gastar todo o meu tempo obsessivamente sentindo meu corpo e fotografando-me em ângulos diferentes em uma tentativa desesperada para capturar uma imagem de mim que eu não despreza-se, e sempre que eu consegui alcançar este objectivo, (o que era raro) seria eu enviar as fotos para o meu diário pessoal, o anonimato. Eu ainda não sabia que eu poderia estar sofrendo de um transtorno alimentar até que me deparei com um artigo sobre ele on-line mais tarde naquele ano, e fiquei surpreendido com as semelhanças entre as minhas tendências de comportamento pessoal e de um sofredora diagnosticada.Inverno de 2009 se aproximava, pelo qual aponto meu IMC caiu para cerca de 16, e eu era agora seria capaz de consumir nada além de água e bebidas dietéticas carbonatadas (água gaseificada e refrigerante) em 7-8 períodos do dia. Eu tornei fisicamente fraca e desinteressada em ir para fora ou perseguir hobbies. situações sociais se tornaram estressantes e eu só saia de casa tão pouco quanto possível, devido ao fato de que eu estava preocupada se houvesse comida nos lugares que eu estava sendo convidada a ir. Eu iria começar a entrar em colapso numa base regular e temia sair da cama. Meu peso continuou a cair e eu continuei a recusar a comer, até que finalmente o meu parceiro teve de me levar para a sala de emergência devido a falta de ar, onde eu lutava para ficar consciente e estava  fisicamente doente.Comecei a entrar em acordo com o conceito de que eu poderia ter um problema e, finalmente, (com o incentivo e apoio do meu parceiro) confessei ao meu médico que eu estava atravessando nos últimos 2-3 anos. Foi-me dito que o meu IMC agora era de 15,4, e que eu estava desnutrida, e que eu estava desenvolvendo um caso grave de atrofia, mas que levei alta e prometi comer um mínimo de 1.500 calorias por dia. Desolada, humilhado e senti me indigna de ajuda, voltei para casa, fechei as cortinas, me arrastei para a cama e me recusei a comer por um período de 13 dias. Eventualmente, meu parceiro, não sabendo mais o que fazer, chamou meu pai e lhe contou tudo. Fui encorajada a voltar ao meu médico, onde eles decidiram me colocar em uma lista de espera para o tratamento profissional, mas me disseram que isso poderia demorar entre 5 e 9 meses.Sendo tão fraca quanto eu era e e não ter qualquer ajuda externa disponível, decidiu-se que era melhor eu ir e ficar em na casa do meu pai sob seus cuidados, onde eu iria tentar assumir o controle da minha saúde em espiral com o apoio da minha família, mas fiquei surpresa com o como eu me senti quando o alimento foi colocado em confronto a mim e eu tentei comer novamente pela primeira vez no que parecia fazer milênio desde a ultima vez. Só posso descrever esse momento como o mesmo sentimento que você sentiria se você estivesse em pé ao lado de uma estrada se preparando para se jogar na frente de um ônibus. A ideia de comer uma colher de comida para mim era como o equivalente de alguém me pedindo para matar a si mesmo quando você não está pronto para morrer. Ansiedade me atormentado, e eu não estava pronto para me recuperar.
Apesar vivendo agora com os meus pais, o meu peso ainda conseguiu cair ainda mais, quando eu recebi meu primeiro convite para falar com um psiquiatra especialista, o meu IMC era de 14,3 e fui incentivada a aceitar o tratamento em regime de internamento, como eu com muito medo de comer, mas não conseguia me manter em pé, e eles estavam preocupados com a deterioração da minha saúde física. Meus pés ficaram amarelo, palpitações cardíacas tornaram-se frequentes, meu cabelo começou a cair em massa, eu entraria em colapso diariamente e laguno (lagunos são uns pelos duros que aparecem mais em recém-nascidos, isso tem a mesma textura de penugem) começou a crescer sobre minhas costas e braços. O verão de 2010 foi um borrão de rostos desconhecidos, de paredes hospitalares e uma tensão entre mim e minha família. Eventualmente eu comecei a comer alimentos sólidos novamente e passei por um período de agonia da síndrome de realimentação, o que só me levou à conclusão irracional de que a comida era ruim e meu corpo não queria comer por causa dos efeitos que estava acontecendo em mim.

No final do verão eu estava vagamente fisicamente estável e tinha coragem suficiente para ir comer uma refeição, pela primeira vez, em público, e depois de ter sido incentivada por meu psiquiatra e as meninas em minhas sessões de terapia de grupo para não me esconder e me afastar, eu saí vestindo uma parte superior da uma correia e shorts em um dia de verão quente, em vez de calças largas e um blusa larga. Homens gritavam comentários grosseiros para mim na rua, "Você seria uma foda dolorosa, eu tirar quebrar você no meio, vai comer alguma coisa", enquanto as meninas só olhavam para mim com estranheza e olhar.
Esta é a primeira vez desde que foi diagnosticado com Anorexia Nervosa que eu realmente me senti pequena, em vez de grande, eu não se sentir bem. Eu me senti embaraçado e envergonhada, mas de alguma forma isso se traduziu em uma nova determinação para se recuperar e perseguir a minha saúde.2011 foi um ano melhor e o início dos meus primeiros grandes passos para a recuperação. Eu lentamente comecei a ganhar peso e fui capaz de participar de uma refeição num restaurante com meu pai e a minha família, combatendo a ansiedade e a percepção distorcida da realidade que uma vez eu me submetia livremente. Eu já não aceito a incapacidade de viver e inevitabilidade da morte como o meu destino, mas sim eu luto, e abraço a minha determinação de aproveitar a vida.Estou agora em um ponto na minha vida que existe a minha recuperação, onde eu sou capaz de comer e me divertir. Eu sou capaz de olhar para o meu reflexo no espelho e não só aceita como eu sou, mas abraçar como eu sou. Eu sou capaz de modelar e me sentir bonita nas minhas fotografias em vez de feia, e aceita as minhas falhas quando eu notá-las, em vez de apenas analisá-las e transformá-las em algo hediondo. Não importa o que alguém diz sobre mim ou minha aparência, eu sei em meu coração que a beleza é subjetiva, e que, como mulher, não importa o que é minha forma, tamanho ou lutas, eu sou bonita.Em uma base regular estou acusada de ser uma defensora da thinspiration e pró-anorexia, simplesmente porque eu estou confortável o suficiente para revelar o meu corpo para o público, apesar de ainda estar abaixo do peso, porque eu estou confortável com as pessoas me vendo na minha cueca, porque eu tenho o prazer de partilhar fotografias de mim mesmo quando eu tiver um momento em que eu realmente me sento atraente. As imagens que eu postei do meu corpo para meus diários anônimos era quando eu estava na boca do minha anorexia, nunca foram destinadas a ser encontradas, e infelizmente, elas foram descobertas e vazadas por outras pessoas com maldade, não por mim. (Que na época era absolutamente mortificante, mas felizmente eu vim a um acordo com isso) As minhas imagens postadas em sites thinspiration são postados por outras pessoas sem a minha permissão ou conhecimento, e não são postadas por mim.Se enquanto eu estava na minha fase de distúrbio, em que eu ainda poderia ter o meu distúrbio desencadeado por imagens de outras meninas, se eu pedisse em uma mensagem para cada uma delas não se revelar, para não ter muita carne nas fotografias ou até mesmo em público porque ele está provocando a mim pessoalmente, isso seria absolutamente ridículo. Seria completamente errado da minha parte, na verdade de todos, se esperamos que cada mulher que seja abaixo do peso, lutando com um transtorno alimentar ou em recuperação de um transtorno alimentar para que se escondessem e atendesse a minha desordem e a minha percepção distorcida da realidade. Não vou esconder o meu corpo e leva-lo para longe do mundo e abrir mão do meu direito de mulher só porque minha carne pode afetar alguém, e eu nunca esperaria de todas as outras meninas que nunca me afetaram para fazer o mesmo. (Eu nunca iria culpar alguém por me provocar - a culpa é da minha doença e do meu estado psicológico, e de ninguém mais.)Se as pessoas não postarem fotos de mim como thinspiration, eles vão estar postando fotos de outra pessoa. Haverá sempre mulheres que estão abaixo do peso na Terra, quer seja natural, ou não, e nenhum delas se deve esperar que se escondam. Se 130 quilogramas ou 30 quilogramas, saudáveis ​​ou lutando com um transtorno alimentar, todos nós temos o direito de usar o que gostamos e mostrar tanta pele como gostamos, não apenas como mulheres, mas como seres humanos.Eu vim de muito longe para permitir que comentários negativos, mentiras ou acusações a me afetem. Eu vim de muito longe para permitir que alguém me faça fazer sentir vergonha. Eu permiti anorexia controlar o que eu pensava de mim mesma, o que eu usava e como eu sentia por muito tempo. Eu lhe permitiu ditar o que eu poderia e não poderia fazer por muito tempo. Não vou permitir que qualquer outra pessoa a faça o mesmo.Aviso: Eu não vai ler ou responder a quaisquer críticas ou opiniões conflitantes. Minha postura é tal como está."


Essa foi a postagem escrita a muito tempo atrás pela Felice, como eu disse, isso foi uma resposta a criticas dela estar influenciando a anorexia na internet
Não sei o que pensa sobre esse texto, mas tem mais sobre ela, tem uma resposta muito bem feita sobre esse texto escrita por uma outra menina que também tem (ou teve) distúrbios alimentarem, logo eu posto...

Veja algumas fotos antigas da Felice:







































Texto original:

"This is the first and only time I am going to be writing a blog post in response to the way in which certain individuals have been approaching me recently regarding my weight. I will also be writing about my experience with anorexia for the first and last time, as I feel it is important that people truly know both my opinion and personal perspective after my experiences as someone who has been overweight, underweight, and in recovery. I feel it is also necessary to make a note that the following material could be triggering to anyone still struggling with an eating disorder, so if you feel this is something that may affect you, I implore you not to read further. 
When I was 17 years old, I did not know what a calorie was. I was unaware of the implications of diets, carbohydrates, the different types of fats in foods, etc. I was completely ignorant to what eating disorders were, or the world in which so many girls lived where they concerned themselves with their weight, diet and exercise on a daily basis. I was simply a normal girl, albeit overweight at the time, who enjoyed food and never even thought about what I was putting in my mouth or how it would affect my body. Blissfully ignorant, chubby and happy. 
In the summer of 2007 I attended Reading Festival with friends. I was 5’6″ at the time, weighing around 160lbs. It was an incredibly hot weekend, typical of Britain’s finest summer weather, and the fields were full of young girls in bikini tops waltzing through tents, all different shapes and sizes. This was the first time I had ever become conscious about my weight, and I wondered whether I would look inadequate next to the sea of slender bodies and toned figures if I were to wear a bikini top myself. In the end, I decided against it, threw on a baggy shirt and continued about my day, not really considering the implications of that moment of heightened self awareness or the affect it would have on me in the near future. After returning home, a flood of photographs were uploaded to Facebook from our weekend at the festival, and I was excited to see what my friends had captured from our adventures, which is when I came across the image that turned my world upside down and completely changed my life for the worse.

Sat on my bed with my laptop confront of me, faced with the image that I could only see as a monstrosity, I burst into tears. I cried until my face was swollen, until I was salivating, until I couldn’t cry anymore, at which point I would lay down and rest for a few hours, only to wake up and repeat the process. 48 hours passed, and still I would cry and speak to no one, occasionally staring at my reflection and kneading at the flesh on my face and body with my fingers, distraught by what I saw and confused by who I was. Eventually I sent messages to all my friends on Facebook, asking them to untag me from the images or remove them completely, and I went into hiding. 
Over the next year I cut my intake dramatically, sometimes going 2-3 days without food, and it felt empowering to finally be taking control of something that I blamed myself for not being in control of for so long. By 2008 I reached a healthy weight of 120lbs through unhealthy methods and disordered eating habits, which I strictly kept secret from my friends, family and partner. Everyone would tell me how wonderful my figure looked, yet I still felt inadequate and was confused by the compliments. 
Realising how isolated I felt and still being in the beginning stages of an eating disorder, I decided to start an anonymous blog as a place to vent about my feelings, write about my experiences and seek some kind of self-validation. I would write about my future goals, how much weight I wanted to lose and how upset I was that I wasn’t small enough. I gained a small following of girls struggling with similar issues, and I connected with them. To read their diaries and experiences made me feel less alone, and sometimes, as if it was okay and ‘normal’ to be doing what I was doing to myself. I would see them post images of themselves to enable them to look back and see their progress, so eventually I decided to also keep an image diary, and I would occasionally upload photographs of my body anonymously where I would critisise myself and analyse what I didn’t like about my figure. I spent so much time hiding my body away in baggy clothing in the ‘real world’, that to be able to reveal myself in this way anonymously felt comforting. 
By early 2009 I discovered that I had grown and was now 5’7, by which point my weight had also dropped to 107lbs and I would go through periods of 4-5 days without eating on a regular basis. I would spend all my time obsessively feeling my body and photographing myself at different angles in a desperate attempt to capture an image of myself that I didn’t despise, and whenever I managed to achieve this, (which was rare) it would be uploaded to my personal, anonymous journal. I was still unaware that I could be suffering from an eating disorder until I came across an article about it online later that year, and I was surprised by the similarities between my personal behavioral tendencies and that of a diagnosed sufferer. 
Winter of 2009 approached, by which point my BMI had dropped to around 16, and I was now able to consume nothing besides water and diet carbonated drinks for 7-8 day periods. I became physically weak and uninterested in going outside or pursuing hobbies. Social situations were nerve-wracking and I would leave the house as little as possible due to the fact I was worried there would be food at the places I was invited to. I would begin collapsing on a regular basis and dreaded getting out of bed. My weight continued to drop and I continued to refuse to eat, until eventually my partner had to take me to the emergency room due to a period of irregular breathing where I struggled to stay conscious and was generally physically unwell. 
I began to come to terms with the concept that I might have a problem, and eventually (with the encouragement and support of my partner) confessed to my doctor what I had been going through for the past 2-3 years. I was told that my BMI was now 15.4, I was malnourished, and that I was developing a serious case of atrophy, but that I was to go away and eat a minimum of 1,500 calories a day. Heartbroken, humiliated and feeling unworthy of help, I returned home, closed the curtains, crawled into bed and refused to eat for a period of 13 days. Eventually my partner, not knowing what else to do, called my father and told him everything. I was encouraged to return to my doctor, where they decided to put me on a waiting list for professional treatment, but I was told this could take anywhere between 5 and 9 months. 
Being as weak as I was and and not having any outside help available, it was decided that I was to go and stay at my fathers house under his care, where I would try and take control of my spiraling health with support from my family, but I was surprised by how I felt when food was placed confront of me and I tried to eat again for the first time in what felt like a millennium. I can only describe it as the same feeling you would get if you were standing on the side of a road preparing to throw yourself confront of a bus. The idea of eating a spoonful of food to me felt like the equivalent of someone asking you to kill yourself when you’re not ready to die. Anxiety plagued me, and I just wasn’t ready to recover. 
Despite now living at my fathers, my weight still managed to drop further, and by the time I received my first invitation to speak with a specialist psychiatrist, my BMI was 14.3 and I was encouraged to accept inpatient treatment as I was simply too afraid to eat more than a few teaspoons of condiments a day to keep me standing, and they were concerned about the deterioration of my physical health. My feet went yellow, heart palpitations became frequent, my hair began falling out in mass, I would collapse daily and laguno began growing over my back and arms. Summer of 2010 was a blur of unfamiliar faces, hospital walls and tension between myself and my family. Eventually I began eating solid food again and went through an agonising period of refeeding syndrome, which only brought me to the irrational conclusion that food was bad and my body just didn’t want me to eat because of the affects it was having on me. 
By late summer I was vaguely physically stable and had enough courage to go for a meal for the first time, in public, and after being encouraged by my psychiatrist and the girls in my group therapy sessions not to hide myself away, I went out wearing a strap top and shorts on a hot summers day, instead of baggy jeans and a jumper. Men would shout crude comments at me in the street, “You’d be a painful fuck, I’d snap you in half, eat something” whilst girls would just look at me strangely and stare.

This is the first time since I was diagnosed with Anorexia Nervosa that I actually felt small instead of big, and it didn’t feel good. I felt embarrassed and ashamed, but somehow this translated into a new determination to recover and pursue health. 
2011 was a better year and the beginning of my first major steps to recovery. I slowly began to gain weight and was able to attend restaurant meals with my father and family, battling the anxiety and distorted perception of reality that I once submitted to freely. I no longer accepted the inability to live and inevitability of death as my fate, but rather fought it, and embraced my determination to enjoy life. 
I am now at a point in my life and my recovery where I am able to eat and enjoy it. I am able to look at my reflection in the mirror and not only accept how I look, but embrace how I look. I am able to model and feel beautiful in my photographs instead of ugly, and accept my flaws when I notice them instead of over-analysing them and turning them into something hideous. No matter what anyone says about me or my appearance, I know in my heart that beauty is subjective, and that as a woman, no matter what my shape, size or struggles, I am beautiful. 
On a regular basis I am blamed for being an advocate of thinspiration and pro-anorexia simply because I am comfortable enough to reveal my body to the public despite still being underweight, because I am comfortable with people seeing me in my underwear, because I am happy to share photographs of myself when I have a moment in which I truly feel attractive. The images which I posted of my body to my anonymous journals when I was at the pit of my anorexia were never intended to be found, and unfortunately they were discovered and leaked by other people with malice, not by myself. (Which at the time was absolutely mortifying, but thankfully I have come to terms with it.) The images of myself posted on thinspiration websites are posted by other people without my permission or knowledge, not by myself. 
If, when I was at the stage in my disorder where I was still triggered by images of other girls, I took it upon myself to message each and every one of them and ask them to not reveal themselves, to not bear too much flesh in photographs or even in public because it is triggering to me personally, it would be absolutely ludicrous. It would be completely wrong of me to actually expect every female who happens to be underweight, struggling with an eating disorder or recovering from an eating disorder to hide themselves and cater to my disorder and my distorted perception of both myself and reality. I will not hide my body away from the world and refrain from taking advantage of my right as a woman to bear my flesh ‘just incase’ it triggers someone, and I would never expect all the girls who ever triggered me to do the same. (I would never blame anyone for triggering me – it is the fault of my illness and my psychological state alone, no one elses.) 
If people weren’t posting pictures of me as thinspiration, they would be posting pictures of someone else. There will always be women who are underweight on this earth, whether it be natural or not, and none of them should be expected to hide themselves away. Whether 300lbs or 60lbs, healthy or struggling with an eating disorder, we all have the right to wear what we like and show as much skin as we like, not just as women, but as human beings. 
I have come too far to allow negative comments, lies or accussations to affect me. I have come too far to allow anyone to make me feel ashamed. I allowed anorexia to control what I thought of myself, what I wore and how I felt for far too long. I allowed it to dictate what I could and couldn’t do for far too long. I will not allow anyone else to do the same.
Disclaimer: I will not be reading or responding to any critiques or conflicting opinions. My stance is as it stands."


Edit:





 (botei os prints para ninguém me acusar de estar mentindo ou coisa do tipo, nada que eu posto aqui é sem provas, se eu postei pelo menos tem alguma prova solida)


6 comentários:

  1. Eu entendo o lado dela mas querendo ou não isso pode sim influenciar garotas que não estão satisfeitas com a própria imagem. Concordo com ela, mulheres magras não precisam se esconder mas também ninguém precisa endeusar a magreza de uma forma que isso vire uma doença. Enfim, como sempre, amei o post e a m o esse blog. Beijinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehehe, a segunda parte fala disso

      Obrigada :) ♥

      Excluir
  2. Nem sei o que pensar sobre esse texto²

    ResponderExcluir
  3. Concordo com ela. As fotos do seu corpo raquítico são da época em que ela estava doente e se outras pessoas usam estas imagens de má fé, ela não tem culpa.
    Ela não tem mesmo que se esconder ou parar de se fotografar porque isso pode influenciar alguém. As famosas também são má influência sobre isso e ninguém para de fotografá-las.
    Felice estava certa, as pessoas que não tem nada mais interessante para fazer saem por aí criticando e julgando os outros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se fosse na ideia literal nós também seriamos "triggered" pelas plus-sides heheheh

      Excluir

✵ Sou a favor da liberdade de expressão então se expresse como você quiser ✵

❤ Você pode discordar de mim, pode defender sua ideia, mesmo sendo contraria a minha, mas entenda que é meu blog, e eu vou defender minha ideia até o fim. Eu apenas vou recuar caso tenha percebido algum erro ou equivoco meu. Então essa é sua chance, seja claro e aberto. Todos são bem vindo... Menos pessoas sem emocional para lidar com opiniões diferentes e descem a xingamentos e ameaças ❤

☞ Mas evite ser desnecessariamente rude, pois eu respondo os comentários com o mesmo peso da sua, respeito é sempre bom, você pode discordar de mim, eu não sou dona da razão, mas você também não é. Lembre-se, o blog é meu ☜

♛ Evite por spans, se for para vir comentar que seja porque você tem interesse na postagem e não por auto-divulgação ♛

( ͡° ͜ʖ ͡°) Comentários sexualmente explícitos e vulgares são excluídos ʕ・ิɷ・ิʔ

✎ Existe uma opção de receber respostas pelo e-mail evitando ficar visitando meu blog para ver se obteve resposta (e evitar gerar números falsos), o nome é “notifique-me”, as respostas irão para o seu e-mail (para desabilitar ficar recebendo respostas, a opção está no e-mail)

⚛ Isso é um blog de opinião pessoal. Não é "site de noticia", não é propriedade de ong ou empresa comercial, logo não precisa ser imparcial ou seguir alguma regra de alguma empresa ou pessoa privada alheira. Eu sou apenas uma pessoa aleatória, sem importância social, que escreve nas horas vagas ⚛

"EU DISCORDO DO QUE VOCÊ DIZ, MAS DEFENDEREI ATÉ A MORTE O SEU DIREITO DE DIZÊ-LO" - Voltaire

Mais regras aqui

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...