domingo, 20 de agosto de 2017

Você vai perder, e isso é inevitável e irreparável



  
Ela havia perdido parte de seu braço, era claro, e a imagem assusta de início, acho que qualquer ser humano fica ao menos um pouco chocado quando vê outro ser humano com alguma parte do corpo faltando. Eu me acostumei com a forma dela, mas a coisa que mais me chocou foi ela em si, foi como ela estava tão natural com aquela situação.

Nos primeiros momentos meus olhos escorregavam para seu braço, e eu no segundo seguinte puxava meus olhos de volta a estar contra os olhos dela, me questionando amargamente se eu havia a magoado, com um simples olhar, eu não queria que ela se sentisse diferente de mim, como se eu a tivesse a vendo como apenas um braço amputado, ou aparentasse ter algum sentimento de rejeição por ela, pois não, eu não sentia isso, mas a curiosidade e o choque faziam meus olhos irem naquela direção, eu queria perguntar sobre aquilo, mas sabia que uma simples pergunta poderia faze-la sentir como se eu estivesse invadindo um espaço, que eu não sei o quão sensível é.






Foi quando no nada ela disse “não vai perguntar sobre o braço?”, eu creio que sorri naquela hora, ao menos mostrei os dentes de um modo nervoso, e fiquei sem resposta, o que deveria responder? Eu não sei o quão delicado é isso, eu não faço ideia o que é passar por isso, e logo o como ela deve se sentir sobre isso.
Ela fez uma expressão estranha e disse “você notou, não notou?”, logico que eu notei, filha... pensei eu... “em um acidente, eu perdi...” disse ela...
Essa não era a resposta que a pergunta em minha mente estava fazendo, pois obviamente ela perdeu em algum acidente ou incidente, minha pergunta era outra, era o depois, o como, o que... e tudo que saiu de mim, e eu tentando ser delicada, mas eu tenho consciência que sou delicada feito um camelo com sede, foi “mas você se sente bem?”

Tive que reformular a pergunta umas 4 vezes, até ela entender o quão profundo eu queria chegar, e ela sorriu para mim e disse não tenho o que sentir, já passou, já chorei, já entrei em depressão, mas o que posso fazer? Não dá para voltar atrás, eu não posso sofrer por isso para sempre, tenho que prosseguir”.. E eu fiquei pensando nisso por quase um mês sem parar...

Eu tenho um problema com finais, sabe, ainda mais com o fato de que a coisa acabou e eu tenho que prosseguir, e seguir, e aceitar que acabou, aquela coisa de virar a página... não... espera, deixa eu reformular essa explicação, pois quando se vira a página, você não vê as páginas de traz, você virou ela, a coisa é como se... Você derrubasse tinta em um livro, fosse obrigada a virar as páginas e as próximas páginas estão manchadas com a tinta passada, que cada vez mais seca, cada vez mais eterna na historia, como se agora fizesse parte dela... Entende?

O braço dela... Prosseguir!? 

O acidente sempre vai estar ali, o acontecimento está no passado, não dá para voltar, mas a marca dele está ali, uma enorme cicatriz que levou embora uma parte física e emocional dela, toda vez que ela olhar para ela mesma, vai estar lá, o acidente, o resultado de um acidente.
Pedaços do emocional de alguém também se vão, ela não pode ser a mesma menina do dia antes do acidente, as coisas nunca são a mesma depois do dia da perda, você tem que prosseguir, não é? Lidar com isso, e logo amadurecer, e nisso parte da inocência se vai, dia após dia.

A gente perde muita coisa por dia e nem percebe, a gente perde horas, dias, minutos, e nem vê, por isso é tão fácil, mas a gente percebe isso quando a conta chega e vê que não dá para voltar atrás
Como eu encostada num canto olhando para meu celular esperado alguém notar meu sofrimento por esse alguém ali, são meses e meses, eu poderia estar ganhando, mas estou perdendo, aos poucos uma cicatriz vai surgindo, e quando ela estiver visível nada vai apagar...

...
E cara, ela perdeu o braço, e não foi aos poucos, foi de uma vez só, se coloca na situação, você está ali, sentado olhando para a janela, não esperando acontecer nada de mais, apenas perdida em pensamentos enquanto seus olhos fingem acompanhar cada arvore que parece correr lá fora, e em questão se segundos você está coberto do próprio sangue, e quando começar a calcular o que acabou de acontecer, você percebe que uma parte do seu corpo já não faz parte do seu corpo.
A partir daí é outra história, são os dias depois do acidente, os dias depois da perda, os dias depois do trauma, ter que se acostumar aos poucos, ser obrigado a lidar com um trauma.


Tem coisa que a gente meio que escolhe perder, nós no colocamos na posição de que simplesmente virar as páginas sem olhar cada palavra, a dor final é uma consequência. Mas como conviver com algo que não é sua culpa? Você não esperava... Como conviver com uma consequência cuja a causa não é culpa de ninguém?

Mas você tem que continuar, sempre tem a escolha mais fácil, desistir, a depressão ronda nossas mentes diariamente, esperando uma brecha no meio da nossa própria escuridão, e ela é longa e profunda, feito uma areia movediça, que você jura que não tem fim, mas lá no fundo, tem um buraco, a morte.
Mas você tem que continuar, tem que se dar uma chance de respirar, porque é só uma, você tem que puxar e soltar ar, perder lágrimas e desenhar um rastro até você, enquanto foge vulnerável dos olhares dos estranhos pelo mundo.
Mas como continuar? A gente vai perder de novo, vai acontecer, aos poucos, ou talvez sejamos vítimas de alguma fatalidade, ora essa, as chances existem para todo mundo.

Não sei o que vai acontecer amanhã, comigo, com ela, com você, eu sei o quão bosta eu lido com as perdas, e se eu perder mais? O mundo é tão inseguro, tão imprevisível, não existe limites para a perda... Oh sim, a morte...
Mas vai acontecer, enquanto estamos lutando para conquistar, enquanto nos debatemos no mundo lutando contra coisas aleatórias, enquanto suamos para construir coisas, estamos perdendo
E ai um dia... Você não vai poder perder mais nada, porque perdeu tudo.

E será que depois de perder tudo, nós ainda vamos ter capacidade de sorrir e recomeçar?

 (acho que ela nunca vai entender o porque de eu começar a chorar umas duas horas depois da gente mudar de assunto, minha cabeça as vezes trava em assuntos... admiro a força dela)


________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário

✵ Sou a favor da liberdade de expressão então se expresse como você quiser ✵

❤ Você pode discordar de mim, pode defender sua ideia, mesmo sendo contraria a minha, mas entenda que é meu blog, e eu vou defender minha ideia até o fim. Eu apenas vou recuar caso tenha percebido algum erro ou equivoco meu. Então essa é sua chance, seja claro e aberto. Todos são bem vindo... Menos pessoas sem emocional para lidar com opiniões diferentes e descem a xingamentos e ameaças ❤

☞ Mas evite ser desnecessariamente rude, pois eu respondo os comentários com o mesmo peso da sua, respeito é sempre bom, você pode discordar de mim, eu não sou dona da razão, mas você também não é. Lembre-se, o blog é meu ☜

♛ Evite por spans, se for para vir comentar que seja porque você tem interesse na postagem e não por auto-divulgação ♛

( ͡° ͜ʖ ͡°) Comentários sexualmente explícitos e vulgares são excluídos ʕ・ิɷ・ิʔ

✎ Existe uma opção de receber respostas pelo e-mail evitando ficar visitando meu blog para ver se obteve resposta (e evitar gerar números falsos), o nome é “notifique-me”, as respostas irão para o seu e-mail (para desabilitar ficar recebendo respostas, a opção está no e-mail)

⚛ Isso é um blog de opinião pessoal. Não é "site de noticia", não é propriedade de ong ou empresa comercial, logo não precisa ser imparcial ou seguir alguma regra de alguma empresa ou pessoa privada alheira. Eu sou apenas uma pessoa aleatória, sem importância social, que escreve nas horas vagas ⚛

"EU DISCORDO DO QUE VOCÊ DIZ, MAS DEFENDEREI ATÉ A MORTE O SEU DIREITO DE DIZÊ-LO" - Voltaire

Mais regras aqui

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...